Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

insonia1
No comando: INSONIA

Das 00:00 às 05:59

amanhcer1
No comando: AMANHECER

Das 06:00 às 08:00

manha1
No comando: MANHÃ MUSICAL

Das 08:00 às 11:59

naftalina1
No comando: NAFTALINA

Das 12:00 às 13:59

20160825155610
No comando: TARDE MUSICAL

Das 14:00 às 17:59

bailaogaucho222
No comando: BAILÃO GAÚCHO

Das 18:00 às 18:59

bailao-bandinhas-san-francisco
No comando: BAILÃO – BANDAS

Das 19:00 às 19:59

vibrazone1
No comando: VIBRAZONE

Das 20:00 às 23:59

Ignês Paludo Trevisol fala sobre artesanato com vime no Projeto Arte Vanini

Compartilhe:
55860990_609015346236767_7120561267118440448_n

O artesanato sempre fez parte da cultura e o modo de vida de vida das pessoas. Na região, o mais difundido é o artesanato rural, que usa material produzido nas propriedades, como vime, fibras, sementes, couro, palha, e habilidades manuais, que incluem o crochê, a pintura e o bordado.

Além de elevar a autoestima das pessoas, o Artesanato é fonte de lazer, trabalho e renda. Outro diferencial é que são peças únicas, feitas à mão e elaboradas cuidadosamente. “Como forma de entender um pouco mais sobre o Artesanato, é imprescindível conhecer o artesão(a), sua técnica e principalmente sua história. Por isso, a Emater está realizando o Projeto Arte Vanini, que busca conhecer os artesãos do município”, afirma Camila Rigotti, Extensionista Rural Social da Emater RS-Ascar de Vanini.

Nesta semana, conheceremos um pouco mais da história da artesã Ignês Paludo Trevisol, que trabalha com o vime, uma matéria-prima barata e de fácil obtenção na natureza e é caracterizado pela resistência e durabilidade. Através do trançado do vime, por exemplo, obtém-se vários tipos de produto final, como cestos, cestas, balaios, fruteiras, cachepôs, entre outros. Ignês começou a fazer esse tipo de artesanato na infância, aos 12 anos de idade, onde escolhia os vimes para o pai e ajudava a fazer a alça e a barra das cestas. Hoje, aos 70 anos, a artesã ainda faz e gosta de fazer arte com as mãos, pois é a continuação do ofício do pai e um lazer, uma terapia e uma renda para a família, já que seu marido Luiz também colabora na confecção das peças.

A habilidade manual aliada à experiência fez com que o casal participasse de várias feiras no Rio Grande do Sul. Além disso, o grande conhecimento que possuem sobre a produção, a colheita e beneficiamento do vime fez com que eles difundissem suas técnicas em cursos em municípios da região, tais como Vanini, Caseiros, Muliterno, Bento Gonçalves, entre outros. “Hoje me sinto realizada, por todo o meu trabalho e tantas peças diferentes. Sinto orgulho ao olhar para o passado e ver minha história ligada ao artesanato”, ressalta Ignês.

Fonte Prefeitura Municipal de Vanini

Apoio Cultural

fibra5_jpg1

Deixe seu comentário:

radios.net